Os crimes mais sinistros do Brasil nos anos 80 e 90

0
840

De vez em quando somos surpreendidos por crimes que chocam o país e o mundo. A brutalidade da ação, o extremo grau de violência e a frieza nos fazem pensar na capacidade do ser humano em tirar a vida de outra pessoa de forma tão tranquila.

Você vai conhecer hoje alguns dos crimes mais sinistros do Brasil que aconteceram nas décadas de 80 e 90 e que até hoje são alvo de curiosidade e revolta.

  • Maníaco do Parque

O motoboy Francisco de Assis Pereira, que ficou conhecido como o maníaco do parque, cumpre hoje 270 anos de prisão em virtude dos crimes hediondos que cometeu no final dos anos 90 contra várias mulheres.

Ele se fazia passar por agenciador de modelos, recrutava mulheres e as estuprava. Além do estupro, ele confessou ter matado pelo menos 11 mulheres. Em uma de suas entrevistas, o motoboy também confessou que gostava de observar o rosto das mulheres enquanto as estuprava e assassinava asfixiadas.

  • Caso dos meninos emasculados

 

Um dos crimes mais sinistros do Brasil começou em 1989 e terminou em 2003, quando Francisco das Chagas Brito foi preso. Ele foi acusado e condenado a quase 400 anos de prisão por ter matado e mutilado 42 meninos, todos com idade entre 4 e 15 anos.

Francisco tinha o costume de arrancar os órgãos genitais dos meninos e também chegou a estuprar alguns deles. Além disso, decepava os dedos das crianças, carregando-os consigo como uma lembrança.

  • Caso Daniella Perez

A filha da renomada escritora Glória Perez estava no auge da sua carreira como atriz. Contracenava com Guilherme de Pádua, seu namorado na trama, que provavelmente desenvolveu uma paixão não correspondida pela atriz.

Ainda sem saber ao certo o que aconteceu, o fato é que Guilherme de Pádua e a esposa, Paula Thomaz, resolveram dar fim em Daniela. Talvez por ciúmes, raiva pelo fato da atriz não ter dado atenção aos sentimentos de Guilherme ou desejo dele de ganhar mais destaque na novela que fazia parte.

A polícia também acredita que tudo era parte de um ritual satânico. Daniella foi encontrada morta, atingida por vários golpes de punhal, sobre um círculo feito de terra e vários pedaços de ossos ao redor.

  • Índio Galdino foi queimado vivo

O índio pataxó, Galdino de Jesus de Santos, estava dormindo em um banco de praça quando foi surpreendido por cinco jovens de classe média, que passeavam pela madrugada.

Segundo eles, para “dar um susto” no índio, resolveram atear fogo no rapaz. O índio morreu horas depois, devido à gravidade das queimaduras. Os acusados foram presos e obtiveram liberdade provisória em 2004.

  • O maníaco do cinema

­­

O estudante de medicina, Mateus da Costa Meira de 24 anos, fazendo uso de uma sub metralhadora, abriu fogo contra a platéia de um cinema em São Paulo, durante a exibição do filme Clube da luta.

Três pessoas morreram e quatro ficaram feridas. Mateus foi condenado a mais de 120 anos de prisão. O crime aconteceu no final da década de 90 e o psiquiatra que atendia Mateus confirmou que o rapaz sofria de transtorno mental.

 

  • Crime da motosserra

 

Os restos mortais de um homem foram encontrados em uma avenida do Rio de Janeiro em 1996. Pertenciam a Agilson Santos, conhecido por Baiano. Baiano teria participado da morte de Hildebrando Pascoal, coronel militar.

O irmão de Hildebrando, ex deputado federal, Itamar Pascoal foi condenado por este que foi declarado um dos crimes mais sinistros do Brasil devido ao grau de tortura.

Baiano foi torturado, teve braços, pernas e órgãos genitais decepados com uma motosserra, além de olhos perfurados. Itamar foi condenado a 18 anos de prisão pelo que ficou conhecido como o crime da motosserra.

A lista apresentada, contendo os crimes mais sinistros do Brasil, acontecidos nos anos 80 e 90 é assustadora. Mesmo com o surgimento de novos casos parecidos e extremamente cruéis, aqueles crimes ainda surgem frescos na nossa memória.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here